Imprimir

CFP: IV Colóquio Internacional de Análise do Discurso

. Publicado en Convocatorias

IVCIADCFP: IV Colóquio Internacional de Análise do Discurso
"A produção dos consensos e a conquista das resistências:
os discursos nos movimentos do mundo contemporâneo"
2-4 setembro 2015

O que produz o entendimento e o desentendimento entre os sujeitos de uma sociedade? Mais fundamentalmente, o que a constitui? Há efetiva compreensão entre seus membros, porque são eles falantes de uma mesma língua? Quais são os papéis desempenhados pela linguagem, pelas línguas e pelos discursos nos consensos e nos conflitos sociais? Essas e outras questões da mesma natureza acompanham o pensamento humano há milênios e voltam a nos frequentar mais intensa e particularmente em nosso mundo contemporâneo, marcado ao mesmo tempo, mas não na mesma medida, por lutas necessárias e reivindicações justas e por hegemonias, radicalismos e intolerâncias.

Em nossos tempos, o Mercado liberal, a Mídia tradicional e a Política conservadora não cessam de produzir e de veicular em consonância suas loas às práticas e aos valores do consumo e da democracia à moda ocidental. Já ouvimos, inclusive, o decreto do “fim da História”, com o alcance do que seriam os perfeitos sistema de produção e regime de governo: a Democracia capitalista. Assim, supostamente as lutas entre os “senhores” e os “escravos”, entre os “dominantes” e os “dominados”, entre, enfim, abastados e desvalidos de distintas sortes já não teriam mais razão de ser. Com a consolidação da Internet e, mais recentemente, das redes sociais, as benesses do sistema e do regime ganhariam um novo aliado: a tão almejada liberdade de expressão. Sua demanda, seu anúncio e exercício talvez possam ser em nossas bocas, com mais frequência do que gostaríamos, mais repetições que nos foram sugeridas do que diferenças que teríamos efetivamente conquistado. Sabemos, porém, que nas relações humanas não existem apenas reproduções e automatismos. Ante as estratégias de controle do poder de várias ordens, há a possibilidade de lhes confrontarmos com táticas e resistências. Estas últimas, entretanto, não são fenômenos naturais, cujo advento seria promovido sem árduas batalhas e dolorosas conquistas. Se assim não fosse, teríamos de fato chegado ao fim da História…

Essas considerações não respondem ainda direta e suficientemente às questões que lançamos acima, às quais, aliás, somam-se outras: há mais consensos ou conflitos na história humana? Dispõem eles do mesmo peso e espaço na construção e no esgarçamento dos laços sociais? Ao falarem, os homens tendem a enxergar mais identidades ou mais diferenças entre si? E quanto a nós, estudiosos do discurso, observamos antes as unidades discursivas, onde se cria à primeira vista haver uma mera diversidade de falas, de enunciados ou de textos; ou buscamos principalmente demonstrar a existência das distintas posições enunciativas e/ou ideológicas, onde se acreditava existir a simples unidade de uma instituição, de um campo ou de uma formação discursiva?

Em diversas tendências da Análise do discurso, parece ter ocorrido inicialmente o predomínio da identificação das homogeneidades discursivas; em seguida, por meio de seus desenvolvimentos e de seus diálogos com outras áreas do conhecimento, tais como a Teoria da enunciação, os estudos do Círculo de Mikhail Bakhtin, a obra de Michel Foucault, a Nova História, entre outros, os analistas estabeleceram as distintas formas da heterogeneidade como uma sua prioridade. Numa ou noutra visada, a tarefa não é menos espinhosa: na diversidade das falas, o que deve ser entendido como o mesmo discurso? Como identificá-lo? Por que meios estabelecer as fronteiras entre um e outro discurso? Por outro lado, o que é o Outro numa ou de uma formação discursiva? Quais são suas funções e seus diferentes graus de presença na constituição de um discurso?

Foi com o propósito de refletirmos sobre esses e outros fatos do discurso e com vistas a formular respostas a essas questões, que em sua quarta edição o Colóquio Internacional de Análise do discurso elegeu como seu tema “A produção dos consensos e a conquista das resistências”. Para explorá-lo, debatê-lo e analisá-lo, o IV CIAD contará com a presença de eminentes especialistas dos estudos do discurso, cujos trabalhos sobre os fenômenos, as questões e os dilemas que envolvem os consensos e as resistências na produção dos discursos e dos sujeitos do mundo contemporâneo são reconhecidos mundialmente.

Nessa edição do CIAD seus participantes terão a oportunidade de assistir a três conferências fundamentais para a compreensão das várias e diversas relações entre os sujeitos de uma sociedade e os discursos que os constituem e circundam. Sabemos que em diferentes condições de produção podem prevalecer entre os sujeitos e os discursos relações de distintas modalidades, entre as quais ocorrem a repetição, a identificação, a indiferença, o afastamento, a resistência, a oposição ou a repulsa. Tais relações serão amplamente exploradas nas conferências dos professores Marc Angenot, da McGill University, Philippe-Joseph Salazar, da University of Cape Town, e Jean-Jacques Courtine, da Université de la Sorbone Nouvelle e da University of Auckland.

O Prof. Angenot é especialista em História das ideias, em Nova Retórica e em Análise do discurso, titular da cátedra de Teoria do discurso social da McGill University, membro da Société Royale du Canada e autor de dezenas de obras, entre as quais destacamos La parole pamphlétaire (1982), 1889: un état du discours social (1989), Les idéologies du ressentiment (1994) e Dialogues des sourds (2008).

Já o Prof. Salazar foi discípulo de mestres do pensamento francês, tais como Roland Barthes, Georges Dumezil e Louis Althusser. Entre 1998 e 2004 foi o diretor do seminário Rhétorique et Démocracie e a partir de 2004 tornou-se Distinguished Professor of Rhetoric da University of Cape Town. Também é autor de um grande número de publicações, das quais destacamos Truth and Reconciliation in South Africa (2007) e Paroles de Leaders (2011).

Finalmente, o Prof. Courtine foi um dos integrantes do grupo de Michel Pêcheux, do qual emergiu a Análise do discurso na França, é professor emérito da University of California e da Université de la Sorbonne Nouvelle e o titular da cátedra European Studies da University of Auckland. Além de outras publicações, é autor de Análise do discurso político: o discurso comunista endereçado aos cristãos (1981; 2009) e de Histoire du visage (1988) e um dos organizadores da História do corpo (2005-6) e da História da virilidade (2011).

Além dessas conferências, o IV CIAD contará com três mesas-redondas, das quais participarão os professores Marlène Coulomb-Gully, da Université de Toulouse / Jean Jaurès; Valdir Heitor Barzotto, da Universidade de São Paulo, Kátia Menezes de Souza, da Universidade Federal de Goiás, María Alejandra Vitale, da Universidad de Buenos Aires, Pedro Navarro, da Universidade Estadual de Maringá; Antônio Fernandes Júnior, da Universidade Federal de Goiás, e nas quais serão abordados a produção dos consensos e a conquista das resistências na Mídia, na Política e nas Ciências da Linguagem. Ou seja, o que é dito hegemonicamente ou ao menos de modo bastante predominante nesses campos do discurso? Há resistências que se contrapõem a essas hegemonia e predominância? Quais são elas, como se processam e que alcances possuem?

Essa seleta programação do IV CIAD será ainda adensada por sua já tradicional apresentação dos principais grupos de pesquisa em Análise do discurso do país, que, por sua vez são representantes, das várias tendências dos estudos discursivos produzidos no Brasil e no exterior. Em conjunto, a realização das conferências e das mesas-redondas, as apresentações dos grupos de pesquisa e a participação de todos aqueles que tomarão parte no evento concorrerão para que possamos mais bem compreender as formas e os funcionamentos dos consensos desejáveis, mas também dos inaceitáveis, porque nos limitam às repetições alienantes, e para que possamos mais bem conhecer as resistências que já lhes foram feitas, com vistas a nos munirmos de um saber cada vez mais sólido sobre como proceder para produzirmos nossas tão necessárias lutas contra todos os poderes que nos pretendem dominar, explorar e reduzir a máquinas de produção e consumo, que obedeceriam sempre e muitíssimo bem aos comandos: “Produza, consuma e não se rebele jamais!”

Modalidades de participação

1)   Apresentação de  GRUPOS DE PESQUISA (até 20 de junho);
2)   Apresentação de PAINÉIS (até 20 de junho);
3)   Como OUVINTE, sem apresentação de trabalho (até 28 de agosto pelo site ou presencialmente no dia do evento);

http://www.ciad.ufscar.br/

Submit to DeliciousSubmit to DiggSubmit to FacebookSubmit to Google BookmarksSubmit to StumbleuponSubmit to TechnoratiSubmit to TwitterSubmit to LinkedIn

Por favor, haz login o regístrate en la web para poder publicar comentarios y participar más activamente. Después, refresca o vuelve a esta página. ¡Gracias!